#ViajoSozinha: sobre os perigos de ser mulher e colocar o pé na estrada

Liberdade, é o que sentimos quando colocamos o pé na estrada toda vez. Independência, frio na barriga, ansiedade, felicidade que não cabe no peito, medo do desconhecido, uma mistura louca de sentimentos. Adicione aí se você for mulher: medo de andar sozinha.

Além de todas as outras preocupações em uma viagem – montar roteiro, preparar a mala na medida, procurar hospedagem – ainda temos que nos preocupar em não estarmos acompanhadas de um homem! Então quer dizer que toda vez que formos viajar vamos ter que chamar nosso pai para nos acompanhar? Quando vamos ganhar independência e poder andar com nossas próprias pernas? Quando vamos ter LIBERDADE pra valer?

#ViajoSozinha representa Marina e Maria José, representam as mulheres viajantes, sozinhas ou não, representa a mulher em meio a uma sociedade que falta o respeito com um outro ser humano, independente do gênero. RESPEITO é o que falta no nosso dia a dia, não só na estrada.

Nós, “menininhas” que somos, por vezes nos vemos encurraladas e impedidas de ir a algum lugar ou fazer algo “sozinhas” – leia-se desacompanhadas de um homem. Andar sozinhas no meio da mata? Visitar tal país sem os namorados?? Fazer esse passeio desacompanhadas???

Por que esses questionamentos são tão recorrentes em nossas vidas? Por que aos pés dos nossos 24 anos temos que nos sentir como meninas de 5? Claro, preocupar-se com nossa segurança é normal por parte dos pais e amigos, e de nós mesmas também. Mas até quando?

Ser proibida de andar em certos lugares ou ter horários preestabelecidos, ser fragilizada perante os olhos da sociedade e ter seu direito de ir e vir vetado? Temos urgência em falar sobre isso, precisamos colocar esse assunto em debate, não queremos mais uma Marina ou Maria José.

Mulheres viajantes devem colocar o pé na estrada sem medo, devem saber que não terão olhares maldosos acompanhando seus passos, que não são menosprezadas por sua condição feminina.

Sofremos pelas viajantes argentinas, sofremos também por esse assédio diário às mulheres. Que esteja próximo do fim, que possamos viajar sem culpa, que possamos deixar nossos pais despreocupados em casa, que possamos ter confiança ao colocar o pé na estrada e falar feliz do orgulho que é ser mulher.