Roadtrip pelo Norte Argentino

Tudo o que você precisa saber para planejar uma roadtrip pelo Norte Argentino (Salta e Jujuy)

Norte Argentino surpreende com suas cores e formas incríveis, uma natureza muitas vezes árida e diferente aos nossos olhos. As estradas das províncias de Salta e Jujuy trazem a cada quilômetro percorrido algo belo em meio ao frio e ao vento que faz em suas altitudes elevadas.

Nós, brasileiros, que estamos sempre viajando para o país dos nossos hermanos argentinos, já estamos bastante acostumados a cidades como Buenos Aires, Mendoza, Bariloche e a região da Patagônia. Por outro lado, temos um norte inteiro para descobrir.

Isso foi o que me impulsionou a escolher esse destino, que eu mesma pouco havia ouvido falar até poucos meses atrás, mas fiquei encantada com cada foto incrível que eu vi. Espero que vocês se apaixonem tanto quanto eu por essas paisagens de tirar o fôlego e compre agora mesmo sua passagem para lá!

A Roatrip

Roadtrip pelo Norte Argentino [Dia 1]: Cafayate, Quebrada de las Flechas e Quebrada de las Conchas

Roadtrip pelo Norte Argentino [Dia 2]: Maimará, Tilcara, Humahuaca e o Hornocal

Roadtrip pelo Norte Argentino [Dia 3]: Purmamarca, Paseo de los Colorados e Cerro Siete Colores

Roadtrip pelo Norte Argentino [Dia 4]: Cuesta del Lipan, Salinas Grandes e San Antonio de los Cobres

Roadtrip pelo Norte Argentino [Dia 5]: Salta

Colocar o pé na estrada e ir em direção ao desconhecido é sempre uma aventura! Há aqueles que preferem organizar suas viagens com agências e deixar todos os passeios agendados (menos dor de cabeça e mais facilidade, sem dúvida!). Eu não consigo. Adoro pegar o carro e ir parando no caminho para conhecer cantinhos diferentes, muitas vezes fora da rota principal, tomar o meu tempo, tirar quantas fotos eu quiser com calma.

Claro que acontecem alguns pepinos, como o dia em que atrasamos no caminho e chegamos no hotel mais de meia noite. Adivinhem? Ficamos pra fora do hotel. Não tinha uma alma rondando por lá. Tudo escuro, silencioso. Que aflição! Um friiiio.

Roadtrip Argentina

Se pensar bem, essa é uma boa maneira de economizar também. Se você pagar para cada passeio que for fazer e cada local que for visitar, a viagem começa a ganhar algumas centenas (ou milhares) a mais na conta. Especialmente se você juntar um grupo de amigos ou mais um casal para viajar junto, aí fica muito mais tranquilo, uma vez que os gastos com carro e gasolina serão divididos por mais pessoas.

Uma das coisas que achei curiosas nas estradas argentinas é que tem bastante fiscalização nas estradas. Passamos por muitos postos policiais, alguns eles só acenavam a cabeça e desejavam boa viagem, outros eles pediam os documentos do carro e dos passageiros, e vez ou outra faziam diversas perguntas, mas nada fora do normal. Pelo menos achei eles bem simpáticos, especialmente se comparados com os policiais brasileiros.

Estradas no norte argentino

Num geral a qualidade das estradas é muito boa, bem asfaltadas e com sinalização. Haviam algumas no meio do nada, sem asfaltamento nem nada. Essas aí eu morreria de medo de passar a noite. Há inclusive placas indicando para turistas transitarem durante o dia e sem muita chuva. Mas uma coisa é certa: são todas lindas, cada uma com paisagens distintas, montanhas coloridas, formatos diferentes e muitos cardones – uma espécie de cacto só que com +2m de altura.

Já ia me esquecendo de falar, mas aluguei o carro pela RentCars. Foi a primeira vez e funcionou super bem! A gente fez a pesquisa de preços de diversas locadoras pelo site e reservou por lá mesmo, prático e rápido.

Agora vamos ao que interessa! Leia esse post completo com dicas de como chegar, quando ir, o que fazer, onde se hospedar e tudo o mais que você precisa saber para planejar sua viagem para o Norte da Argentina.

Como chegar

O aeroporto mais próximo

A melhor opção é voar para Salta (SLA) e alugar um carro lá. Tenho utilizado bastante o Google Flights nas minhas buscas online, você pode inclusive ver se tem algum aeroporto próximo com um preço mais acessível. Ah! Uma outra coisa que eu considero vantagem é que ele já mostra os preços com taxas, assim você não tem surpresas.

Não há voos direto do Brasil, geralmente eles passam por Buenos Aires. Portanto, se você estiver na capital portenha, são apenas 2 horas de voo até Salta. Essa pode inclusive ser uma viagem combo: Buenos Aires + Salta!

A furada

Eu fiz uma coisa meio besta e me arrependi depois, mas eu já tinha comprado as passagens, então ne… Nessa de ver preços mais baratos em aeroportos próximos, eu vi Rio – Córdoba pela metade do preço! Olhei no mapa, não era tão distante assim (APENAS 10h). hahahah Conclusão: perdemos 2 dias da viagem dirigindo, um na ida e outro na volta. Mas, serviu de lição. E que sirva de dica para vocês! Não vale a pena.

Caso você já esteja na Argentina e esteja fazendo tipo um mochilando, ou esteja sem pressa para conhecer os lugares, acho uma boa buscar coisas legais para fazer no caminho, pois tenho certeza que tem muita coisa interessante entre Córdoba e Salta que a gente passou batido por causa do tempo apertado.

Se a sua opção for percorrer essa região de ônibus, as empresas indicadas são a Andesmar ou Flechabus.

Outras opções

O Norte Argentino fica bem próximo do Chile e da Bolívia. Portanto, se você tiver mais tempo, vale a pena fazer um combo entre esses três países ou até mais! As opções de aeroportos relativamente próximos são Antofagasta – Chile, bem próximo do Deserto do Atacama; La Paz – Bolívia, se você quiser conhecer o Salar Uyuni, por exemplo, essa pode ser uma boa opção.

Quando ir

Salta tem uma temperatura média anual de 16°C e, como no Brasil, a época das chuvas é no verão – Dezembro, Janeiro e Fevereiro. O tempo é quente e seco (fica perto dos Andes).

Cardones Argentina

Inverno

O inverno é seco e faz dias lindos. Segundo os salteños, a melhor época para ir é no inverno. É a alta temporada turística da região.

Verão

Não estivemos lá no verão, mas observamos ao longo das estradas muitas vias onde a água passa. Ao perguntarmos para os locais se é possível viajar de carro por lá no verão, eles falaram que o volume de água é grande e os leitos dos rios fica com fluxo intenso. Isso se deve ao degelo das geleiras da região, por isso no restante do ano os rios são meros filetes de água. Se vocês forem no verão, lembrem-se de alugar um 4×4 e estejam cientes de que você encontrará verdadeiros rios pela frente.

Outono / Primavera

Para mim, essas são as melhores opções para viajar para qualquer lugar. As temperaturas são mais amenas e as chances de encontrar dias mais bonitos aumenta. Eu fui em Maio, encontrei temperaturas em torno de 15°C, podendo chegar a 0°C em algumas cidades na parte da noite. Sim, fez muito frio, congelei, usei todas as camas de roupas que levei. hahah Na cidade de Salta, encontramos dias sempre nublados. Porém, ao longo das estradas, o céu estava azul na maior parte do tempo.

Entendendo o Norte Argentino

Nossa viagem, na verdade, foi feita pelo Noroeste Argentino, ou NOA, como os argentinos chamam esta região, que é composta pelos estados Jujuy, Salta, Tucumán, Catamarca, La Rioja, y Santiago del Estero.

O NOA é caracterizada por suas extraordinárias paisagens, desde as cadeias de montanhas andinas até áreas extremamente desérticas, como a Puna de Atacama. Há montanhas nevadas e áreas extremamente úmidas com selva densa e tropical.

Em Salta e Jujuy, que são as províncias que conheci e posso falar com mais propriedade, você vai encontrar uma extensa área pouquíssimo povoada, vilas e cidadezinhas remotas, um povo bem simples que mora em casas feita de adobe e vive da agricultura ou criação de llamas e vicuñas.

vicuñas na Argentina

Os traços regionais são bem marcados pelos índios sulamericanos e a maior parte da população tem uma pele mais morena, com olhos levemente puxados e cabelos escuros, parecidos com os vizinhos bolivianos.

Como falei ali em cima, o principal aeroporto da região é o da cidade de Salta (SLA). Essa província investe bastante no turismo e tem uma ótima estrutura para receber e entreter todas as idades. Certamente, é para onde você deve voar. Salta tem bons hotéis e restaurantes, empresas de turismo receptivo e é de onde vão sair a maioria dos passeios para toda a região.

O que fazer

Uma região que é um prato cheio para quem gosta de paisagens de tirar o fôlego e aventuras sem fim, há muito o que ver e conhecer no norte argentino. Fiz uma lista com os lugares que não podem ficar fora do seu roteiro, aqueles que são imperdíveis e que valem a pena uma visitinha.

Aliás, antes que vocês perguntem, quanto tempo é necessário para essa viagem? Eu levei 5 dias para conhecer tudo, em um ritmo bem intenso, sem muito tempo para parar e apreciar com calma cada uma das cidades por onde passei. Algumas coisas ficaram fora do roteiro por falta de tempo. Acredito que 10 dias seria o ideal. Há ainda muito o que conhecer nas províncias vizinhas, portanto, se você tiver 15 a 20 dias, perfeito! Faça uma viagem mais completa, quem sabe percorrer toda a parte norte da Ruta 40?

Nas próximas semanas cada um desses tópicos vai virar um post completo com mais informações sobre os locais indicados. Fiquem ligados aqui =)

Vinícolas de Cafayate

Localizada na Ruta 40, Cafayate é uma região de reconhecida pelos vinhos que lá são produzidos. Para quem gosta de um bom vinho, vai se deliciar com as diversas vinícolas e adegas da região. A pequena cidade ainda conserva seu ar colonial em suas ruas, igreja e prédios antigos trazendo ainda mais charme para o passeio.

Quebrada de las Conchas

Também conhecida como Quebrada de Cafayate, a Quebrada de las Conchas está localizada bem próxima de Cafayate. A região tem uma paisagem linda com formações rochosas de coloração avermelhada. Seguindo pela Ruta Nacional 68 você vai encontrar diversos pontos de parada no caminho, difícil segurar a câmera. Anote alguns dos principais: El AnfiteatroEl FraileEl Sapo, Las Ventanas e Los Castillos.

Quebrada de las Conchas, Anfiteatro

Quebrada de las Flechas

Cartão postal da Ruta 40, a Quebrada de las Flechas é desfiladeiro de rochas pontiagudas que se estende por cerca de 20km formando uma paisagem inacreditável aos olhos. O Paso del Ventisquero é o principal mirante e, realmente, oferece uma excelente vista 360.

Quebrada de las Flechas, Argentina

Quebrada de Humahuaca

A Quebrada de Humahuaca, Patrimonio Cultural e Natural da Humanidade da Unesco, é uma combinação de paisagens maravilhosas, cartões postais, povoados pitorescos e vestígios precolombianos y coloniais. Anota aí os locais que você não pode deixar de conhecer: Purmamarca, onde fica o Cerro de los Siete Colores; Maimará; Tilcara; e o Hornocal, em Humahuaca.

Hornocal (Cerro 14 colores)

Localizada a 25km da cidade de Humahuaca, o Hornocal é uma montanha com formação calcárea de diversos minerais que foram erosionando com o tempo e formando um incrível relevo triangular de cores diversas.

Hornocal, Cerro Catorce Colores, Argentina

Paseo de los Colorados

Apesar de Purmamarca ser um povoado pequeno e simples, foi o que eu mais gostei da região da Quebrada de Humahuaca. Esse é definitivamente um must da viagem. O Paseo de los Colorados é uma caminhada de cerca de 1h feita por montanhas coloridas, ora verdes, ora vermelhas. Vá preparado para a ventania e aproveite a paisagem.

Cerro Siete Colores

Cartão postal da Quebrada de Humahuaca, o Cerro 7 Colores é imperdível. Essa montanha, formada por camadas de cores distintas, é um dos locais mais fotografados do país e a melhor hora para visitá-lo é pela manhã.

Cerro Siete Colores, Purmamarca, Argentina

Artesanato em Purmamarca

Povoado localizado ao pé do Cerro 7 colores, Purmamarca é uma cidadezinha feita de adobe, simples, porém charmosa. Lá você encontra bons hoteis, restaurantes e uma ótima feira de artesanato na praça principal. Deixe para comprar seus souveniers lá, foi onde encontrei a maior diversidade e preços bons.

Purmamarca, Argentina

Parque Nacional los Cardones

De paisagem árida, esse Parque Nacional é o lugar perfeito para encontrar cardones, que nada mais são do que cactus enooormes, de mais de 2m de altura. Um passeio comum é conciliá-lo com Cachi, Molinos e Cafayate.

Ojos del Mar em Salinas Grandes

Com uma área de 212 km², Salinas Grandes fica na estrada que vai em direção ao Chile e à Bolívia, no extremo norte do país. Além da paisagem branca e reluzente, você vai encontrar alguns pequenos lagos  de cor azul apelidados de Ojos del Mar. Lindo demais!

Ojos del Mar, Salinas Grandes, Argentina

Tren a las Nubes

O Tren a las Nubes é uma ferrovia que liga a cidade de Salta até San Antonio de los Cobres, passando pelo famoso Viaduto La Polvorilla. O trem atravessa o Valle de Lerma, passa pela Quebrada del Toro até chegar na Puna de Atacama. Esse é um passeio que não pode ser feito no verão, quando as vias ficam fechadas por causa do volume de água.

Tolar Grande, Salar de Arizaro e Cono de Arita

A região de Puna de Atacama é a continuação do famoso Deserto do Atacama, um dos desertos mais secos do planeta. São diversas lagoas e salares, dentre eles, o Salar de Arizaro. Com 1600km² de superfície a mais de 3400m acima do nível do mar, o Cono de Arita é um dos cartões postais do Salar.  Tolar Grande é o povoado que serve como base para conhecer a região e conta com uma população de cerca de 200 pessoas.

A Ruta 40

Ruta 40, Argentina

A Ruta 40 é a maior estrada argentina, que liga o país de norte a sul, passando por 21 parques nacionais, ou seja, se você gosta de aventura, vá agora mesmo planejar sua viagem para lá. Eu percorri apenas alguns trechinhos e fiquei doida para percorrê-la do início ao fim.

Correndo paralela a Cordilheira dos Andes, ela chega a atingir 5000m de altitude, o que torna ela a estrada mais alta do país e a segunda mais alta do mundo, perdendo apenas pelas estradas do Himalaia.

São poucos os trechos asfaltados, o que confere uma dose extra de aventura para a viagem. Deve-se viajar por ela sempre com cuidado e atenção, pois os povoados que a margeiam são poucos e espassados.

Entre as cidades e pontos turísticos mais conhecidas pelos brasileiros estão El Calafate, Bariloche e Mendoza. Eu passei por Cafayate e pela Quebrada de las Flechas, na província de Salta.

Onde se hospedar

Vou deixar aqui os hoteis em que me hospedei e minhas impressões gerais sobre eles. Nas próximas semanas farei uma cobertura mais completa sobre cada um deles.

Cafayate

A pousada La Vaca Tranquilla não fica exatamente em Cafayate, fica localizada no povoado vizinho, San Carlos. Ela é uma beleza para quem busca conforto e tranquilidade. Os quartos são aquecidos com lareira, o que é um charme. Outro detalhe é que o café da manhã você encontrará apenas produtos feitos lá, tudo delicioso e caseiro.

Salta

Salta tem uma ótima estrutura turística, com diversos hoteis e restaurantes. O Hotel Boutique Kkala é uma excelente opção para quem busca conforto, tranquilidade e localização. Ele está pertinho do centro e é possível fazer uma agradável caminhada até a praça principal. Atentos a cada detalhe, tudo é personalizado e a equipe é muito atenciosa. Veja nossa review do Hotel Kkala aqui.

Hotel Kkala, Salta, Argentina

Se você prefere ainda mais tranquilidade, o Hotel Las Moras fica localizado na cidade vizinha San Lorenzo, a apenas 15 minutos de carro do centro. A casa é um charme e parece uma casa de veraneio daquelas que você ia com a família na infância.

Humahuaca

Eu particularmente não gostei muito de Humahuaca, quero dizer, Purmamarca é pertinho e muito mais agradável. De qualquer forma, o hotel que eu fiquei em Humahuaca foi o Munay Humahuaca, bastante simples, da cama ao café da manhã.

Purmamarca

O Hotel Marques de Tojo é confortável e bem pertinho do centro de Purmamarca (não que a cidade seja muito grande). A melhor coisa da vida é entrar em suas dependências quentinhas enquanto do lado de fora sopra um vento gelado demais! Foto via.

Hotel marques de tojo, Argentina

San Antonio de los Cobres

O Hotel de las Nubes é onde os turistas que chegam pelo Tren a las Nubes a San Antonio de los Cobres ficam. A cidade é muito simples e o hotel também, mas é um luxo perto dos arredores. Quentinho e confortável, você vai dormir super bem.

Média de gastos

Para 7 dias de viagem, gastamos ao todo cerca de R$ 3600 cada pessoa, incluindo passagem aérea, hospedagem, aluguel do carro, gasolina, alimentação e souveniers.

Foi-se o tempo em que a Argentina era um país barato para nós, brasileiros, viajarmos. Achei os preços caros para o que eu esperava, mas ainda viáveis para uma viagem internacional.

A situação atual não é das melhores e a inflação vem assolando o país. Notamos isso até pelas estradas por onde passamos, com diversas construções recentes abandonas e casas vazias.

O litro da gasolina estava cerca de R$5 (enquanto aqui no Brasil pagamos cerca de R$3,60-R$4,00). Os hoteis foram cerca de R$300 por noite para o casal. Uma refeição custava cerca de R$50 por pessoa.

Como levar dinheiro para a Argentina

Essa dica é boa para essa e qualquer outra viagem que você for fazer pelo país.

O ideal é levar dólares e trocar por pesos lá. Fazer saque em algum caixa eletrônico de lá, nem pesar! A taxa é altíssima. Utilizar o cartão de crédito? Você chora quando vem o IOF e as câmbio do dia.

Na maioria das viagens internacionais que faço, levo dólares americanos e troco no país. Isso me traz a certeza do câmbio do dia e facilita na hora de chegar lá pois tenho a certeza de encontrar casas de câmbio que aceitem a moeda que tenho em mãos.

Sei que quem viaja para Buenos Aires às vezes leva Real e consegue trocar tranquilamente nas ruas, acredito que a proximidade com o Brasil e a penca de brasileiros que viaja para lá anualmente facilite isso. Mas no norte do país não é tão fácil assim, não vi casas de câmbio trocando Real.

Dicas Gerais

– Ande sempre com o tanque cheio. Em certos lugares é difícil saber quando você vai encontrar o posto de gasolina seguinte.

– Tenha sempre em mãos os seus documentos e os documentos do carro e do seguro para apresentar nas paradas de veículos na estrada.

– Vá preparado para o frio, com camadas de roupas suficientes, botas, gorros, luvas e cachecóis.

Empresa de turismo receptivo em Salta

Incañan | incananturismo@hotmail.com | +54 0387 154154517

Aluguel de carro

Como essa viagem foi uma roadtrip, optamos por já sair aqui do Brasil com o carro alugado. Usamos o site RentCars para pesquisar preços, ele faz uma compilação de todas as grandes locadoras de carro (Hertz, Avis, Europcar, Sixt…) e funcionou super bem! A gente sempre usa e recomenda. Faça sua reserva através do blog sem custos adicionais. É só clicar aqui.

Seguro viagem

Não dá para viajar sem seguro viagem! Afinal, imprevistos também acontecem durante as férias. Já imaginou sofrer um acidente ou ter algum problema de saúde longe de casa? Para evitar ainda mais dor de cabeça nessas horas, é essencial ter o seu seguro viagem garantido.

Sempre fazemos o nosso pelo site do Real Seguros, que possui várias seguradoras conveniadas. Eles comparam os melhores preços e todo o processo é feito de forma bem prática – você recebe a apólice por e-mail e ainda pode dividir em 6x sem juros ou ganhar 5% de desconto no pagamento à vista.

Clique aqui para fazer a sua cotação no site da Real Seguros!

Chip internacional para celular

Hoje em dia fica difícil viajar sem celular – ou melhor, sem um celular COM internet – né? Além de avisar a família que está tudo certo, compartilhar fotos no Instagram e fazer check in no Facebook (quem nunca?), estar com internet a todo momento facilita muito a vida dos viajantes para se localizar, fazer alguma busca rápida sobre o destino, abrir o número da reserva e etc.

A gente usa e recomenda o EasySim4U, revendedora da T-Mobile, uma das maiores operadoras de telefonia celular americana. Eles oferecem o chip internacional pré pago e também o plano de internet com cobertura em até 140 países, incluindo Europa, Ásia, Oceania, Caribe e América do Sul. Todas as vezes que usamos a internet era bem rápida, pega até 4G em alguns lugares!

Veja aqui o post completo que fizemos com dicas para você comprar o seu EasySim4U | Clique aqui para comprar o seu chip.

Buy us a coffee (3)