5 perrengues que já passamos em viagens pelo mundo

“Viajar: primeiro te deixa sem palavras, depois te torna um contador de histórias.”

Começamos o post com essa frase clássica, que todo viajante já deve ter lido por aí. Nela, só vemos verdades: quem viaja tem MUITA história pra contar, principalmente os perrengues, que rendem situações algumas vezes divertidas e outras vezes…. dispensáveis.

Reunimos 5 perrengues que nós duas já passamos em viagens pelo mundo para mostrar para vocês que nem tudo são flores durante uma viagem. Uma má ideia pode se transformar NAQUELE perrengue!

1 | Praga

Nanda, Novembro de 2017

Chegamos em Praga com vontade de explorar cada cantinho da cidade, como todo bom viajante. Sempre nos comunicamos com facilidade nos países falando inglês e usando o google tradutor quando necessário. Porém, foi uma má ideia achar que seria fácil entender a língua dos tchecos.

Deixamos as malas no hotel, que era um pouquinho afastado do centro da cidade, e resolvemos sair para jantar. Já que era aniversário do Breno, meu namorado, queríamos comemorar em um bom restaurante. Na porta do hotel, passava o Tram, uma espécie de bondinho bem comum na Europa.

Viagem pelo Leste Europeu, Novembro de 2016

Pegamos as coordenadas na recepção e lá fomos nós. O trajeto duraria cerca de 15 minutos, e deveríamos descer em uma das estações com nome confuso. As estações foram passando e nada da nossa chegar. 40 minutos depois resolvemos perguntar se estávamos no caminho certo, e nos falaram que já havíamos saído da cidade de Praga. E o pior: o tram não iria voltar! Era uma linha “sem volta”, que estava partindo para outra cidade.

Ficamos desesperados e achamos melhor descer na estação seguinte. A rua estava super deserta, não conseguimos nos comunicar com ninguém, celular não funcionava e a gente só torcia para passar um tram no sentido contrário. Um tempo depois ele passou e, finalmente, chegamos no centro da cidade. Mas peraí, que o perrengue ainda não acabou: todos os restaurantes fechavam cedo e o único lugar que estava aberto era o KFC. #fail

2 | Austrália

Gaia, Fevereiro de 2013

Surfar na Austrália é algo que todo mundo deveria fazer uma vez na vida – se você levar jeito pra coisa! Quando estava me preparando para embarcar para meu intercâmbio para a Austrália, em 2013, só conseguia pensar nas ondas que eu iria surfar com meu cabelo parafinado ao som de surf music.

Surf camp australia
Surf camp, Australia

Antes mesmo de chegar lá, encontrei um grupo da faculdade que iria para um surf camp próximo de Sydney logo no primeiro final de semana. Empolgada, me inscrevi, e fui animada e sem conhecer ninguém para minha primeira tentativa em cima de uma prancha.

Conheci pessoas incríveis e fiz muitos amigos do mundo todo. Mas onda que é bom, não rolou nenhuma! Não conseguia ficar em cima da prancha por nada. Ali mesmo acabou minha carreira de surfista. #fail

 

3 | África do Sul

Nanda, Junho de 2017

Eu adoro experimentar a culinária local, mas nem tudo tenho coragem de experimentar. Tenho duas situações para compartilhar com vocês envolvendo comida e África do Sul. Olha só!

Carne moída no café da manhã: Estávamos na região de Stellenbosch, há 40 minutos de Cape Town, e resolvemos tomar café da manhã em um café do centro da cidade. O cardápio era um pouco confuso, mas eu fui logo nas opções que tinham ovos mexidos. Estávamos com pressa e escolhi, sem prestar muita atenção, uma opção com “scrambled eggs” (ovos mexidos). Imaginem a minha surpresa ao receber um montinho de carne moída com molho de tomate super temperados E os ovos mexidos.

O tal do “lamb”: Nos hospedamos no Gondwana Game Reserve para fazer o tão esperado Safári na África do Sul. Depois de ver muitos animais lindos no “game”, fomos jantar no restaurante do hotel. O menu contava com duas opções de prato principal: salmão e lamb. Eu fui de salmão e o Breno, meu namorado, preferiu a carne. Ficamos na dúvida do significado de lamb, mas achamos que seria alguma coisa como “lombo”. Ok, né?

Os pratos chegaram, o Breno comeu tudo – mesmo achando a textura um pouco estranha – e, no final do jantar, resolvi checar na internet o que era lamb. Resultado: OVELHA! Depois de ver muitas ovelhinhas no safári, o Breno tinha comido uma. Que dó!

Breno pedindo desculpa para as ovelhinhas que tinha acabado de comer

A dica é sempre pesquisar no google as palavras estranhas do cardápio. Uma simples palavra pode mudar todo o sentido do prato que você escolher.

4 | Cambodja

Gaia, Dezembro de 2013

É bem comum viajar pelo Sudeste Asiático com um mochilão nas costas. Essa é uma ótima maneira de economizar em voos internos e facilita uma viagem longa com muitas paradas pelo caminho. Numa dessas trocas de cidade pelo Camboja, estávamos em Siem Reap, a cidade dos famosos templos Agkor Wat, e pegamos um ônibus noturno para a capital Phnom Phen.

Tuktuk pelos templos de Angkor Wat, no Camboja
Tuktuk pelos templos de Angkor Wat, no Camboja

Ao desembarcarmos no nosso destino e sem conhecer o lugar, pegamos um tuktuk para ir ao nosso hotel. O motorista mal falava inglês e mostramos para ele o endereço que o site fornecia. Demos uma volta enoooorme pela cidade, discutimos com o motorista em forma de gestos e meias palavras em inglês, até que conseguimos chegar no nosso hotel, que ficava a 50m do nosso ponto de partida. Não quisemos pagar o valor total da corrida e o motorista quase foi embora com a nossa mala. É uma má ideia não estudar o mapa da cidade antes de chegar!

 

5 | Argentina

Gaia, Maio de 2016

Eu e meu namorado, o Jean, estávamos doidos para fazer nossa primeira road trip juntos em maio do ano passado. Com a ideia de economizar, compramos uma passagem mais em conta para Córdoba, achando que seria pertinho de Salta, nosso destino real.

Roadtrip pelo Norte Argentino
Roadtrip pelo Norte Argentino, Maio de 16

No fim, dirigimos cerca de 10h por uma longa estrada cheia de curvas. Atravessamos 3 estados até chegar em Cafayate, uma pequena cidade na província de Salta. Porém, nosso planejamento deu um pouquinho errado e chegamos 1h da manhã em nosso hotel. Eu não tinha conexão à internet para avisá-los sobre o atraso e, como era um empreendimento familiar, o dono já havia desistido de nos esperar e fora dormir.

Fazia muito frio do lado de fora e já estávamos achando que a opção seria dormir no carro, até que chegou um casal de amigos que estava hospedado lá, cada um em um quarto. Eles fizeram a caridade de nos ceder um dos quartos e tudo se resolveu com uma boa noite de sono no hotel com direito a cama king size e lareira para esquentar a noite fria.

Resumo da ópera: não saiu tão mais barato assim e perdemos dois dias inteiros de viagem.


E aí, se identificaram com algum dos nossos perrengues? E esses foram só alguns que selecionamos para compartilhar aqui com vocês.

É claro que toda viagem tem perrengues, mas não podemos deixar ela se transformar em um fiasco total, né? Por isso, a gente sempre escolhe muito bem os hotéis onde vamos nos hospedar. Não tem sensação melhor do que chegar no quarto, esticar as pernas em uma cama bem confortável e descansar para aproveitar o dia seguinte.

O hotéis.com faz uma seleção incrível de hotéis – você pode reservar sem se preocupar. Outra dica legal é participar do programa de fidelidade que eles oferecem: a cada 10 noites reservadas pelo site, o usuário ganha mais uma de graça. Uma ótima maneira de dar aquela economizada! Se quiser saber mais sobre o programa, é só clicar aqui.

Nos identificamos muito com a nova websérie do hotéis.com, chamada “Viajei!”. Nosso vídeo preferido foi o “Praticando esportes no Leme”, que lembrou muuuito a situação da Gaia tentando surfar na Austrália. hahahha! Vale a pena conferir os episódios, estão demais!

Este conteúdo foi apoiado pela hoteis.com.