Roteiro de 10 dias em Nova York

Roteiro de 10 dias em Nova York

Nova York é uma cidade encantadora por sua pluralidade. A metrópole mais badalada do mundo tem um pouco de tudo e é perfeita para todo tipo de viajante, de todas as idades, seja em família, em casal ou entre amigas. Aqui você vai conferir meu roteiro de 10 dias em Nova York separado por dia para que você possa planejar sua viagem com facilidade e objetividade.

Eu visitei a cidade em Fevereiro de 2018 com minha família e fomos em modo econômico, pois indo em 6 pessoas é fácil tornar uma conta de restaurante em uma pequena fortuna. Especialmente considerando o câmbio atual do dólar.

Confira um resumo do nosso dia a dia:

Dia 1: dia de compras
Dia 2: MET
Dia 3: Highline e Chelsea Market
Dia 4: Flatiron District + Central Park
Dia 5: Brooklyn e DUMBO
Dia 6: Voo de helicóptero + Por do sol em Nova Jersey
Dia 7: Lower Manhattan + Soho
Dia 8: Chinese New Year + MoMA
Dia 9: Flea Market no Brooklyn e Williamsburg
Dia 10: Central Park + Harlem

Ruas do Brooklyn
Ruas charmosas do Brooklyn

Minha primeira dica é: compre um chip de internet para celular para que você possa consultar os mapas e dicas da cidade a qualquer hora. Eu usei o chip da EasySim4You, aliás, sempre uso o chip deles e acho ótimo! O ideal é solicitar com ao menos 10 dias de antecedência da viagem para garantir que ele vai chegar a tempo na sua casa.

Dia 1: Outlet – dia de compras!!!

Nosso voo chegava no aeroporto de Newark, então aproveitamos e reservamos uma noite de hotel lá mesmo, perto do aeroporto, pra ir no dia seguinte ao Outlet fazer compras de roupas de inverno.

Esse esquema foi ótimo, porque o shopping era bem ao lado do nosso hotel, que foi o Country Inn & Suítes by Carlson (um quarto quádruplo por U$120).

O outlet que escolhemos foi o The Mills at Jersey Gardens. Lá encontramos ótimas lojas, como a H&M, Puma, Adidas, Nike, Calvin Klein, Tommy Hilfiger, Levi’s, Banana Republic,  Uniqlo (ótima para comprar térmicas e roupas de frio)… Aliás, esse outlet é ótimo porque fica do lado de Nova York e não tem taxas, ou seja, ele é isento de impostos. Em NY a taxa é de quase 10%, ou seja, você já economiza de cara essa porcentagem!

Os preços eram bons? Valia a pena? Sempre dá para garimpar e encontrar boas peças a um preço ótimo! Rolam muitas promoções e descontos também. Minha dica é ir ao interior da loja antes, onde você encontrará todas as peças em liquidação. Depois de ter feito sua triagem, veja a parte da frente com peças de coleções novas.

De New Jersey para Nova York fomos de Uber. Tivemos que pedir um Uber Large, pois éramos 4 pessoas com malas. O valor aproximado foi de U$65 + tips. Sim, até no Uber você tem que dar tips!

Como estávamos cansados do longo dia no outlet, optamos por comer uma pizza em algum local próximo do hotel. Não é que encontramos um local super em conta? 2 fatias de pizza + bebida por apenas U$2.75!!!

Dia 2: MET

Acordamos no Yotel, que fica pertinho da Times Square. Eu amei me hospedar lá especialmente pelo estilo do hotel: bem moderninho, meio futurista, com um design que lembra cabines de avião de primeira classe. Confira nesse post minha experiência por lá!

Outra dica de hotel bem legal próximo da Times Square é o Moxy, um hotel que preza pelo design elegante e possui quartos acessíveis. Fiquei lá algumas noites também e adorei! Confira minha resenha completa aqui.

Como o dia estava chuvoso, resolvemos ir a um dos museus da lista, o MET. Fiquei impressionada com o tamanho do museu e com sua larga coleção de obras famosas mundialmente, com nomes de peso como Picasso, Monet, Pollock, Rembrandt, … O museu funciona com uma contribuição voluntária e eles sugerem o valor de U$25 por pessoa, mas fica a seu critério o valor que você vai contribuir. O legal disso é que o museu e sua coleção se tornam acessíveis para todos. Para evitar filas, aproveite para já comprar seu ingresso com antecedência. É só clicar aqui.

Minha dica para conseguir conhecer tudo o que você gostaria neste museu é baixar o app do MET no seu celular e pegar um mapa físico do museu. Depois disso, é só circular no mapa as salas com as obras de seu interesse.

Selfie com meu amigo Vincent, no MET Museum
Selfie com meu amigo Vincent, no MET Museum

Para o jantar, escolhemos um tradicional italiano chamado Carmine’s. Anotem essa dica! Os pratos custam em média U$30 e servem facilmente 4 pessoas, ou seja, um ótimo custo beneficio, né? E o bom é que o restaurante fica pertinho da Times Square e não tem como ir a Nova York e não dar uma passadinha rápida por lá.

Times Square
Times Square

Dia 3: Highline e Chelsea Market

Mais um dia chuvoso na cidade, mas não nos deixamos abalar e fomos andando pela região do Meatpacking District até chegar no Citizens of Chelsea, um delicioso café australiano perfeito para brunch.

Citizens of Chelsea, um delicioso café no Meatpacking District
Citizens of Chelsea, um delicioso café no Meatpacking District

Eu pedi ovos com salmão e abacate e estava delicioso!!! (Saudades do meu tempo em Sydney com brunchs assim todos os sábados.) O preço médio que gastamos por pessoa foi de U$20.

Satisfeitos, fomos até o Chelsea Market, um local onde encontram-se várias lojinhas fofas, cafés e restaurantes diferentes, além de delicatessens imperdíveis. O ambiente é bem descolado e cheio de gente interessante. Uma curiosidade: no passado, o prédio era uma fábrica da Nabisco e foi onde o Oreo foi inventado e produzido por muitos anos!

Outro atrativo interessante na região é a High Line, um parque suspenso, construído numa antiga via férrea desativada. Na época de sua construção, em meados do século passado, essa região era majoritariamente industrial. Depois de 2009, com a criação do parque, os galpões e fábricas estão se tornando galerias de arte, studios de design, lojas, restaurantes, museus e residências.

Caminhada pelo Highline
Caminhada pelo Highline

Caminhamos longamente por lá até chegarmos na B&H Photo & Video. Para quem não conhece, esta loja é a melhor do segmento de fotografia e vídeo  em Nova York. Você encontra uma variedade enorme de marcas e modelos de tudo relacionado a captação de som e imagem. Ou seja, se você trabalha com isso ou curte o tema, vai ficar louco com essa Disneyland dos fotógrafos. Uma dica legal para economizar é passar na sessão de usados da loja, onde eles disponibilizam equipamentos semi novos com um preço bom e com qualidade.

Dia 4: Flatiron district + Central Park

Começamos nosso quarto dia de viagem no Union Square em uma caminhada em direção ao famoso Flatiron Building, um dos primeiros arranha-céus de Nova York (e do mundo)! Este prédio ficou famoso devido ao seu formato, que lembra um ferro de passar roupas.

Flatiron District
Flatiron District

Essa região tem diversas lojas legais para conhecer, entre elas o Eataly, uma mega delicatessen italiana. A boa dica é: ande sem rumo, se perca nas ruas do bairro de mesmo nome do prédio, o Flatiron District! É uma delicia!

Para o almoço, fomos num mexicano próximo dali chamado Tacombi. A atmosfera do local era bem divertida, com um ar de lanchonetes de antigamente, além da comida ser deliciosa, com homemade tortillas e carnes sustentáveis. O valor por pessoa foi de cerca de U$15.

Como abriu um solzinho no final do dia, optamos por ir até o Central Park passear. O parque é um super clichê de Nova York, mas é tão lindo que merece ao menos uma passadinha em toda viagem à Big Apple. Se for a sua primeira vez, não tem como não passar ao menos uma tarde por lá. No inverno, com sorte, você vai encontrar o parque branquinho coberto de neve. No verão, compre seu almoço “to go” e escolha um cantinho para apreciar a vida da cidade.

Tarde de outono no Central Park
Tarde de outono no Central Park

Dica: o mercado WholeFoods tem uma grande variedade de sopas, saladas e pratos para levar para viagem ou para consumir no local. Prático e com preço super acessível! Almoçamos lá alguns dias e gastamos cerca de U$8 por pessoa numa refeição caprichada!

Dia 5: Brooklyn Bridge e DUMBO

Uma foto na Brooklyn Bridge vazia? Como?? Fácil: acordar às 6:30h da manhã!  É claro que em uma cidade como Nova York, é impossível ter pouco movimento, mesmo nas primeiras horas da manhã. Mas nesse horário que fomos (chegamos cerca de 7h30 por lá) haviam muitos locais indo para o trabalho de bike e quase nenhum turistas.

Brooklyn Bridge vazia às 7h da manhã
Brooklyn Bridge vazia às 7h da manhã

A continuação do nosso dia foi pelo Brooklyn e por suas charmosas ruas com prédios em tonalidades marrons. Passamos também pela região de DUMBO, que é super badalada por conta dessa vista para a Manhattan Bridge. Lá encontramos também diversos brechós e cafés super fofos.

DUMBO: spot imperdível para fotografar a Manhattan Bridge
DUMBO: spot imperdível para fotografar a Manhattan Bridge

Dia 6: Voo de helicóptero + por do sol em Nova Jersey

Esse passeio só vale a pena se você tiver bastante tempo na cidade, como eu, que passei 10 dias. Isso porque o helicóptero sai de um heliporto em Nova Jersey, que fica a 1h30 de de Manhattan.

Nós saímos do hotel às 11h, nos perdemos no caminho e chegamos lá por volta de 13:30h, depois de uma combinação de metrô, trem e Uber. Depois teve a preparação, mais uma hora para assistir vídeos, receber as instruções, e fazer toda a preparação. Finalmente fomos voar! Sobrevoamos Downtown Manhattan, a Estátua da Liberdade e a Brooklyn Bridge. Foi demais! A cidade é ainda mais linda vista de cima.

Sobrevoando Nova York de helicóptero
Sobrevoando Nova York de helicóptero

O passeio durou 15 minutos, o tempo voou, achei rápido demais. Há um voo de 30 minutos, acho que deve ser bem mais legal, para assim ir até o Central Park e curtir melhor a viagem. Voamos com a empresa FlyNYON, o voo de 15min custa U$220 por pessoa, enquanto o de 30min sai a U$500 por pessoa.

Quando estávamos voltando para Manhattan, fomos até Exchange Place, ainda em New Jersey, para pegar o metrô de volta para o hotel. Era umas 17h, finalzinho da tarde, e o tempo estava lindo! Não aguentamos e ficamos lá esperando o por do sol com Lower Manhattan de fundo.

Por do sol no Exchange Place com vista para Lower Manhattan
Por do sol no Exchange Place com vista para Lower Manhattan

Dia 7: Lower Manhattan + Soho

Lower Manhattan é uma região de Nova York que merece um dia inteiro para explorá-la. Tem diversas atrações, entre museus, restaurantes, parques e shoppings.

Começamos a explorar a região pelo Oculus, uma mistura incrível de arquitetura com shopping (Westfield World Trade Center) e estação de metrô. O projeto é de um renomado arquiteto espanhol chamado Calatrava, o mesmo arquiteto do Museu do Amanhã, e custou uma pequena fortuna (4 bilhões de dólares). Em seu lançamento, o New York Times o chamou de “renascimento da fênix”, eu gosto de chamá-lo de “espinha de peixe”. Fato é que a arquitetura do local é incrível e muito fotogênica de diversos ângulos diferentes.

Oculus, projeto do arquiteto Calatrava
Oculus, projeto do arquiteto Calatrava

Logo ao lado, encontra-se o Museu e Memorial do 11 de Setembro. O memorial é incrível e muito sensível: duas grandes piscinas localizadas exatamente onde antes estavam as Torres Gêmeas, com os nomes de todas as vítimas gravados no seu entorno. É bastante tocante.

Eu visitei o museu e particularmente não gostei muito. Não quero ofender ninguém, mas achei sua construção um pouco espetacularizada. Se você nunca foi e tem interesse sobre o assunto, acho válido visita-lo. O museu é bem completo! Para já sair do Brasil com tudo organizado para a sua viagem, compre seu ingresso com antecedência pelo site Tiqets. É só clicar aqui.

Na sequência de seu passeio por Lower Manhattan e pelo Financial District, a região é conhecida por ambos os nomes, o One World Trade Center pode ser uma boa pedida. O arranha-céu espelhado e moderno abriga em seus últimos andares um observatório da cidade, com vista privilegiada para o Rio Hudson. A visita é bem interativa a começar por uma breve história da cidade contada através da subida no rápido elevador. Evite filas e compre seu ingresso com antecedência aqui. A partir de U$72,95

Lower Manhattan: WTC e One World ao fundo
Lower Manhattan: WTC e One World ao fundo

Nas margens do rio há um parque delicioso chamado Battery Park. Uma boa ideia para o verão é comprar seu almoço no Eataly ou no Le District (uma versão francesa do anterior) e escolher um cantinho do parque para se sentar e curtir o local.

No fim do dia, seguimos pra o Soho, um bairro mega descolado, com lojas legais, grafites e casa de várias celebridades, como Justin Bieber e Rihanna. O bairro tem um passado industrial mas virou hipster e trendy nos últimos tempos.

Dia 8: Chinese New Year e MoMA

O dia começou agitado com o Chinese New Year! Fomos até a região de Chinatown e havia muita festa pelas ruas! Teve dança, encenação, dragões desfilando, muitas selfies com animes e chineses felizes saltitando pela rua. A festa é muito bonita e colorida e valeu a pena presenciá-la.

Para o almoço, não poderíamos ir longe, com tantas opções de comida asiática por ali.

Chinese New Yeark em Nova York
Chinese New Year em Nova York

No final do dia, lá para às 17h, decidimos ir ao MoMA. Ao chegar lá descobrimos que fomos no único horário da semana em que a entrada é gratuita! Fica a dica: o MoMA é de graça todas às sextas-feiras a partir das 16h. A entrada normalmente custa U$25, então é uma boa economia ir neste dia/horário. Caso você opte por ir outro dia/horário, aproveite para já comprar seu ingresso e evitar filas. É só clicar aqui.

Pollock no MoMA
Pollock no MoMA

Dia 9: Flea Market no Brooklyn e Williamsburg

Sábado chegou e com ele diversas feiras de rua, os chamados “flea markets”, espalhados pela cidade. No verão essa prática é mais comum. No inverno algumas feiras entram em recesso e outras mudam de lugar, por questões práticas de neve e frio excessivo.

Fomos no Brooklyn Flea, que rola aos sábados no Industry City, no Brooklyn, e adoramos passear por lá! Óculos estilosos? Tem. Roupas vintage bem descoladas? Tem. Antiguidades e relíquias do passado? Tem. Objetos de decoração? Tem também. O local é ótimo para encontrar roupas de brechó e roupas e acessórios de designers locais, além de cacarecos e objetos legais.

Brooklyn Flea, que rola aos sábados no Industry City
Brooklyn Flea, que rola aos sábados no Industry City

Aos domingos, essa mesma feira rola no DUMBO, de 10h às 17h. Outra opção legal é a Smorgasburg, que acontece em Williamsburg aos sábados, de 11h às 18h. Não pudemos ir nessa pois ela só funciona de maio a outubro, se não me engano. Mas arrisco dizer que ela chega a ser mais descolada até que a do Brooklyn.

E se você vai até Industry City, por que não explorar o prédio e os arredores? O prédio que hoje funciona como um centro de escritórios criativos e ateliês, era um porto intermodal e polo industrial durante todo o século XX.

Aproveitando que estávamos próximos de Williamsburg, bairro mais cool de Nova York atualmente, resolvemos dar um pulo lá para conhecer. Esse bairro, bem moderninho, está sempre repleto de jovens em suas boutiques descoladas, cafés da moda e restaurantes badalados. O street art está presente nas ruas residenciais e nas fábricas remodeladas. E bares e baladas são muito comuns neste bairro.

Detalhe: nevou no fim de tarde e início da noite. Imagina a felicidade dos brasileiros que quase nunca veem neve na vida! rsrs

Nevando em Nova York
Nevando em Nova York

Dica: existem em Nova York alguns bares chamados de “speakeasy bars”. Eles são bares escondidos, que geralmente não tem nada na fachada que indicam que é um bar e você só vai se realmente conhecer o local. Esse termo começou a ser utilizado em meados de 1920, quando foi proibida a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em Nova York. Assim, surgiram alguns locais secretos que serviam álcool, porém muito discretamente. O povo devia beber demais na época! Rsrs

O termo é utilizado até hoje, muito em função do mistério que envolve um bar escondido. Mas em tempos de Google, não é tão difícil assim encontrar algum desses para conhecer em Nova York. Nós demos sorte de ter um amigo local para nos apresentar um desses em Williamsburg. A fachada era de uma lavanderia. Eu nem desconfiaria de um bar passando na porta. Em uma mesinha no canto do estabelecimento havia um sujeito com uma vela acesa. Lá ele pedia a identificação e abria a porta, uma pesada porta de frigorífico. Entramos em  um bar pequeno e com pouca luz, com ótima música e bons drinks. Adorei a experiência!

Dia 10: Central Park e Harlem

Último dia! Já começava a bater aquela saudade da metrópole mais badalada do mundo. Não tínhamos como não voltar no Central Park, especialmente porque havia nevado na noite anterior, e abrira um sol pela manhã, então sabíamos que o passeio seria delicioso!

Central Park coberto de neve!
Central Park coberto de neve!

Antes de chegar lá, paramos numa esquina para experimentar os Halal Guys, uma necessária experiência de street food. Anota aí o endereço: esquina da 53rd Street e Sixth Avenue.

Dica de street food em NYC: Halal Guys
Dica de street food em NYC: Halal Guys

Para fechar o dia, fomos a um local um pouco menos visitado por turistas. Essas são as vantagens de se ter um amigo local. Fomos até o Harlem, bairro negro que fica na parte norte do Central Park.

Não deixe de passar pelo Apollo, um teatro que já recebeu grandes nomes da música negra, como BB King, Michael Jackson, Aretha Franklin, … E se você quiser experimentar um pouco de música gospel da fonte, pesquise sobre os cultos que acontecem no bairro. A gente acabou não se planejando e perdeu o horário do culto. Uma pena!

Famosa casa de shows no Harlem: Apollo Theatre
Famosa casa de shows no Harlem: Apollo Theatre

E para ter quase um orgasmo gastronômico, experimente os melhores cookies de Nova York na Levain Bakery. O que eram aqueles cookies!!! Apesar de ser uma portinha tímida em uma avenida movimentada, há uma alta rotatividade de gente entrando e saindo, isso significa cookies fresquinhos o tempo todo. Spoiler: quebre o cookie ao meio para ver aquele chocolate cremoso delicioso se espalhando por dentro.

Dicas gerais

Metrô

Essa é a melhor maneira de se locomover em Nova York, especialmente em Manhattan. São tantas estações espalhadas pelas ruas que nem é preciso andar muito para chegar até o metrô. O ideal é comprar o passe de 7 dias que custa cerca de U$30.

Metrô é a melhor maneira de se locomover em NYC
Metrô é a melhor maneira de se locomover em NYC

Entradas para museus e atrações turísticas

Para evitar filas, o ideal é se programar antes e já compras as entradas para museus e outras atrações turísticas com antecedência. A gente indica o site Tiqets, que disponibiliza ingressos para as principais atrações de Nova York! Clique aqui e confira as ofertas no site.

Seguro viagem

Não dá para viajar sem seguro viagem! Afinal, imprevistos também acontecem durante as férias. Já imaginou sofrer um acidente ou ter algum problema de saúde longe de casa? Para evitar ainda mais dor de cabeça nessas horas, é essencial ter o seu seguro viagem garantido.

Sempre fazemos o nosso pelo site do Real Seguros, que possui várias seguradoras conveniadas. Eles comparam os melhores preços e todo o processo é feito de forma bem prática – você recebe a apólice por e-mail e ainda pode dividir em 6x sem juros ou ganhar 5% de desconto no pagamento à vista.

Clique aqui para fazer a sua cotação no site da Real Seguros!

Chip internacional para celular

Hoje em dia fica difícil viajar sem celular – ou melhor, sem um celular COM internet – né? Além de avisar a família que está tudo certo, compartilhar fotos no Instagram e fazer check in no Facebook (quem nunca?), estar com internet a todo momento facilita muito a vida dos viajantes para se localizar, fazer alguma busca rápida sobre o destino, abrir o número da reserva e etc.

A gente usa e recomenda o EasySim4U, revendedora da T-Mobile, uma das maiores operadoras de telefonia celular americana. Eles oferecem o chip internacional pré pago e também o plano de internet com cobertura em até 140 países, incluindo Europa, Ásia, Oceania, Caribe e América do Sul. Todas as vezes que usamos a internet era bem rápida, pega até 4G em alguns lugares!

Veja aqui o post completo que fizemos com dicas para você comprar o seu EasySim4U | Clique aqui para comprar o seu chip.

E aí, curtiu o roteiro? Espero mesmo que ele tenha ajudado você a planejar sua viagem.  Se surgiu alguma dúvida, deixa aqui sua pergunta que me esforçarei ao máximo para ajudar =)